Dilma e as promessas de acabar com o “inferno” alfandegário.

Nos Estados Unidos DILMA ROUSSEF fez algumas promessas.

Obama não sabe que ela é conhecida no Brasil como uma das pessoas mais mentirosas de todos os tempos. Dilma disse que Brasil e EUA são parecidos "ambos democracias plurais, com liberdade de expressão e transparência", e que quer construir um país de classe média.

A presidente prometeu que vai reflorestar 120 mil quilômetros quadrados, o que equivale quase uma Inglaterra inteira. Disse que a burocracia relacionada a importações é infernal, que o Brasil terá uma economia mais aberta e que é preciso reduzir os riscos de se fazer negócios no Brasil.

Com isso a presidente, que resolveu esquecer a espionagem em seu telefone, conseguiu negociar com OBAMA pelo menos o fim da proibição, de quase 14 anos, sobre as importações de carne bovina brasileira.

Enquanto Dilma passeia pelo planeta o FMI divulgou dados decepcionantes para o BRASIL. O fundo acredita que a economia brasileira terá uma das maiores reduções entre os países chamados de "emergentes".

Com a contração esperada de 1.5% o Brasil seria um país IMERGENTE, e não emergente. Já que afundamos na lama da corrupção.  

Observatório.

 
Compartilhe

Midia esquerdista menciona cada vez mais os intervencionistas e membros da mobilização anti-pt. Armadilha?

Midia esquerdista menciona cada vez mais os intervencionistas e membros da mobilização anti-pt. Armadilha?

O que tem acontecido nesses últimos dias nos leva a crer que a mídia esquerdista está tentando dar visibilidade à oposição, principalmente àquela que tem ido para as ruas, e ousou entrar no Congresso. Já se passaram vários dias da última manifestação anti-Dilma e veículos como Estadão e 247 ainda falam incisivamente sobre o movimento que chamam de intervencionista. O que pretendem com isso? Ninguém daria “ibope” para movimentos de direita ou conservadores sem que haja um “bom” motivo por traz disso.

O ex presidente Lula, bem como toda a cúpula esquerdista da América Latina estão bastante preocupados com o levante da oposição. É notório que a sociedade não é mais a mesma de ha doze anos. O declínio do PT é evidente e pode-se esperar um contra ataque pesado em cima de todos aqueles que lutam para extirpar esse câncer que corroi o país.

Na semana passada o site 247 deu destaque ao título "Golpe Liderado por Lobão tem chance de Prosperar"" e ontem o Estadão entrevistou Marcello Reis, administrador da página Revoltados ONLINE.  O articulista fez questão de mencionar que Reis teria exigido que o encontro fosse realizado em um Restaurante de luxo. Reis, junto com Lobão, é um dos “cabeças” do movimento em oposição às falcatruas perpetradas pelo atual governo. Lobão e Marcello já informaram que não apóiam uma intervenção militar.

Reis que é cada vez mais atacado, principalmente nas redes sociais, diz: até o ano passado acreditei que a intervenção poderia ser uma possibilidade, mas primeiro temos que tentar todos os atos democráticos, para depois chegara a uma instância dessas.

Não há dúvida de que Marcello Reis é agora uma pedra no sapato do PT. Ha muito que não se via no congresso uma oposição tão corajosa como a que ocorreu na semana passada. Seria de se esperar que tentassem destruir sua reputação, iniciando a já costumeira campanha de calúnia e infâmia, usada contra Aécio Neves e todos os outros que já ousaram entrentar o ParTidão.

Há algumas semanas recebemos denúncia de que M. Reis seria réu condenado por tráfico de drogas, recorrendo em liberdade. E que por isso agora assinava Marcello, com dois “L”. Os dados do processo seriam:  007838-61.2012.8.26.0361 – Procedimento Ordinário – Tráfico de Drogas e Condutas Afins – Réu: Marcelo Cristiano dos Reis. Outro colaborador nos informou que a denúncia está publicada na página F. Online, no facebook.  Veja ao lado.

Ficamos preocupados, principalmente por que a esquerda, caso a informação fosse verídica, teria uma grande arma em mãos, que certamente abalaria o movimento, que está em franco crescimento. Mas, obviamente, não publicaríamos algo tão grave sem atestar a veracidade da informação. Questionamos o próprio Marcello Reis sobre o fato, mas ainda não obtivemos resposta. Contudo, um amigo de São Paulo conseguiu obter mais algumas informações importantes, que atestaram o que já desconfiávamos. Se trata de uma falsa acusação, o réu em questão é outra pessoa, nascida em 18/12/1993, que tem apenas 21 anos. Portanto, é obvio que não poderia ser Marcello Reis do Revoltados Online. Veja Abaixo.

A Comunidade Revoltados ONLINE cresceu tendo como um dos seus pilares a proposta intervencionista. Parece que acreditavam que poderia-se de alguma forma convencer os militares das Forças Armadas a assumir o controle do país. A idéia era algo como fechar o Congresso, prender todos os políticos corruptos e depois de algum tempo retornar o país à normalidade democrática. No momento a comunidade online parece chegar a um consenso, de que deve-se tentar todas as vias democráticas possíveis. Observamos que aos poucos as solicitações de intervenção diminuem no grupo Revoltados Online e em outros vários "congêneres". É evidente que a comunidade já entendeu que estratégia agora é colocar o povo nas ruas para alcançar os objetivos propostos.

As demandas são investigação nas urnas eletrônicas, Impeachment e apuração rigorosa do caso Petrobrás e derivações do mesmo.

As comunidades citadas acima congregam um número enorme, são mais de 500 mil pessoas terrivelmente decepcionadas com a atual situação, a ponto de cogitarem em algum momento a possibilidade de ação dos militares. Urnas não auditáveis, corrupção generalizada, desarmamento da sociedade honesta, aliança com líderes radicais como Maduro e Fidel e afinidade com movimentos paramilitares como o MST, dão a muita gente a idéia de que o PT só deixa o governo por meio de uma ação radical. Para se ter uma ideia de a que ponto as coisas estão chegando, vejam esse texto de Jair Bolsonaro, de terça-feira (16/12). Nele o Deputado deixa bem claro que acredita que o PT só sai do Planalto na base da força bruta.

"… o “cancro vermelho” não será erradicado com bonitos e elucidativos textos ou com eleições informatizadas. O PT já foi longe demais para entregar para a oposição de forma pacífica o poder. Mais cedo ou mais tarde, a contragosto de muitos e torcendo eu para estar errado, algumas doloridas doses de Benzetacil podem ser aplicadas para salvar nossa democracia. Ou alguém aponte outro motivo pelo qual nossas Forças Armadas são caluniadas nos últimos 20 anos?"

Se um número tão grande de pessoas pede esse "reset", aplicado pelos militares, é sinal que para eles a democracia fracassou mesmo no Brasil. 

Já dissemos aqui: Em uma democracia ninguém pode ser desprezado. A direita tem como característica valorizar a liberdade de expressão e o individualismo. Apologia à uniformidade é coisa de esquerdista. Se a liderança que agora surge for realmente perspicaz, digna de permanecer a frente de tão grande grupo, saberá valorizar cada opinião como parte importante do movimento. É importante entender a "voz das ruas" . O que o resumo das demandas nos apresenta, qual é a frase que resumiria tudo? 

Para nós a frase seria algo como: "De alguma forma tirem o PT do governo, esse partido está destruindo o Brasil de todas as maneiras possíveis".

Direitistas como Reinaldo Azevedo e Felipe Moura Brasil dizem que são poucos os que pedem intervenção, dão a entender que os intervencionistas indiretamente são aliados do PT e que o discurso em apologia à revolta armada acaba fazendo o partidão parecer democrático. E Isso faz sentido. A esquerda já faz o contrário, parece querer se aproveitar do momento, e tentam jogar mais lenha na fogueira, que já está em chamas. Falam em Golpe e até em participação de Militares na tal empreitada golpista. Talvez pretendam, com essa estratégia, apressar a consecução dos planos esquerdolóides para o Brasil. Pintando de monstro a cara da oposição pode-se sim aumentar a avidez da malta de idiotas úteis, assalariados ou não, em destruí-la. O recado enviado pela mídia engajada, para a militância é, estamos em uma guerra e os adversários estão se mobilizando para dar o "golpe", precisamos agir rápido.

Uma rápida radicalização dos movimentos de esquerda que apóiam o Partido dos Trabalhadores seria uma eficaz alavanca para gerar o caos, dando a desculpa que a intelligentsia esquerdoloide deseja para aumentar o controle sobre a mídia e sociedade.

Robson A.D. Silva. Cientista Social. http://sociedademilitar.com.br 

Email: socmilitar@gmail.com

Compartilhe

Eles pedem intervenção militar. Eles são chamados de CRETINOS, fascistas, Golpistas e outros nomes feios. Será que a maioria dos chamados intervencionistas faz jus a esses predicados?

Eles pedem intervenção militar. Eles são chamados de CRETINOS, fascistas, Golpistas e outros nomes feios. Será que a maioria dos chamados intervencionistas faz jus a esses predicados?

Lobão os chama de cretinos de extrema direita. Reinaldo Azevedo, da Veja, diz que são aliados do PT e estúpidos. Felipe Moura, também da Veja, diz que são sabotadores infiltrados. A esquerda não é tão mansa, chamam os intervencionistas de fascistas, nazistas, loucos e coisas piores.

Normalmente as acusações de direitistas se devem ao estrago que acreditam que os intervencionistas têm feito contra o movimento popular de oposição. JÁ as acusações que partem de esquerdistas, ainda que quase sempre deturpadas, frequentemente se baseiam em alguma deixa de direitistas. 

intervenção militar

Exemplo. O senhor X, que é político atuante, presidente de um diretório de partido, tem páginas no facebook com nomes sugestivos, como Grupo de Operações Anti Comunismo, onde pede doações para alugar carros de som e transportar representantes das Forças Armadas (As F.Armadas se fizeram representar na Paulista?). "X" é um dos líderes do partido, por isso seria de se supor que acredita que pode-se mudar o país por meio da democracia. Mas não é esse o caso, "X" na verdade não acredita no processo democrático. 

X usa as redes sociais e seu status para espalhar várias postagens instigando o uso da violência. O Ele usa frases como: “Morte aos comunistas, morte a Jean Willians" (Foi pra disfarçar que escreveu errado o nome do deputado?) e "intervenção já, liberdade ou morte”.  Em vídeo publicado no youtube, X diz que tem informantes dentro das Forças Armadas, coronéis, segundo ele, que lhe dão a entender que os militares simpatizam com os pedidos de intervenção e só aguardam o dia D. X também diz que devemos declarar guerra contra países vizinhos e inclusive tomar seu território (figura abaixo). Quando se dirige a esquerdistas ou a qualquer um que discorde de sua compulsão por derrubar a esquerda por meio das armas, X é rigoroso, e usa e abusa de termos chulos.

X é um dos que justificam a acusações de radicalismo e extrema direita dirigidas aos intervencionistas. É um dos que fizeram Lobão e outras pessoas abandonarem manifestações. X na verdade é uma espécie de Black Bloc da direita. Alguns acreditam que foram os Black Blocs que esvaziaram as minifestações, pois pessoas honestas e pacatas relutam em ir às ruas depois de tanto vandalismo. Pois é, com gente dessa estirpe em seus quadros, a direita não precisa de inimigos.

Veja abaixo algumas das "ações" de X e seu grupo de Operações Especiais Anti Comunismo.

morte aos comunistas, ódio

Os grupos nas redes sociais que congregam os intervencionistam com toda certeza aglomeram mais de 600 mil pessoas. Portanto, não se trata de um contingente insignificante. A página do Exército no Facebook coleciona inúmeros pedidos de intervenção. Veja abaixo comentários de hoje (07/12/2014) solicitando aos generais que coloquem "a mão no gatilho" e coisas do tipo.  

A maioria dessas pessoas acredita que os militares podem intervir no país e retirar políticos corruptos de seus cargos, não matando-os da maneira que é sugerida pelo senhor "X", mas julgando-os de forma legal. Muitos dos intervencionistas citam os anos 70 como os melhores anos de suas vidas. Pra eles foi um período de paz, crescimento etc. Mas, é preciso observar que já se passaram mais de 50 anos, a esquerda não está preparando uma revolução armada, como ocorreu no passado. Os grupos que estão no poder ocuparam as instituições de forma democrática. Ardilosamente ou não, eles chegaram onde estão por meio do voto.

Supõe-se então que a reação da oposição tem de ser também democrática, sob pena de ser invalidada rapidamente.

O filósofo e escritor Olavo de Carvalho acredita que pode ocorrer intervenção militar, mas não nas condições atuais.  O escritor, que reside nos EUA diz que as manifestações a favor de intervenção no momento só atrapalham. Olavo parece acreditar que os militares brasileiros vão se manifestar sobre os acordos fechados na última reunião da UNASUL.

SnapCrab_NoName_2014-12-8_19-25-18_No-00

SnapCrab_NoName_2014-12-8_19-43-40_No-00

Querem mudar as coisas? Invistam seu tempo e dinheiro nisso. Quem é capaz de fazer doações para a criação de instituições e partidos de direita? No Brasil poucos tem coragem de meter a mão no bolso para alavancar suas aspirações de um futuro melhor. Façam outdoors esclarecendo a população, paguem comerciais de TV denunciando táticas grancistas, comprem livros sérios e distribuam para amigos etc. E lembrem-se, uma mudança do jeito que se pretende não acontece instantaneamente, é um processo lento e penoso.

As alegações de intervencionistas supostamente se baseiam na CF1988. Mas, não é e nunca será, função constitucional das Forças Armadas virar a mesa, quebrar a ordem democrática. É justamente o contrário. Dizer que isso foi feito na Tailândia e que, portanto, caberia ainda agir de forma similar aqui, em pleno séc. XXI. É um grande equívoco. Na Tailândia a Primeira Ministra foi julgada e condenada, sem a intromissão dos militares (imagem ao lado). Os militares interviram,  apesar dos pedidos da população, bem depois. Apenas para garantir a normalidade no país. (Veja aqui)

No Brasil, nem a chamada "reserva raivosa" defende a intervenção militar. A insatisfação manifestada pelos generais e coroneis e pijama é contra o desgaste contra as FA, causado pela comissão da verdade e por mentiras já consagradas como verdade,  que dizem que a esquerda lutava pela democracia nos anos 60 e 70.

Não seria irresponsabilidade tentar atirar o país em uma guerra civil?  (Veja o texto Consequencias de uma intervenção Militar)

Aécio convocou a população, mas não apareceu por lá. Sim, é verdade. Mas já era de se esperar. Qualquer um que tem acompanhado esse movimento podia prever que na manifestação desse sábado haveria confusão. Lobão resolveu ir, mesmo meio desconfiado. Parece que se arrependeu bastante.

Deve-se a todo custo buscar uma oposição racional, sem extremismos de qualquer tipo. Há sim amparo legal para um processo de impeachment, e se for constatado que Dilma ou qualquer outro político ainda em exercício de mandato, participou de esquemas de corrupção, a população pode pleitear sim sua deposição. Instituições como polícias e Forças Armadas estão presentes para dissuadir qualquer um que cogite descumprir a lei. O Brasil não chegou, e esperamos que não chegue, a um estado em que há necessidade de quebrar a ordem democrática, grande prova disso é a liberdade para estar nas ruas se manifestando e pedindo qualquer coisa que se deseje.

Como já dissemos aqui. Qualquer um tem o direito de pedir o que quiser. Ainda vivemos em um país livre. Podemos dizer que repudiamos o PT pedindo um anjo justiceiro com espada de fogo, marcianos, Enry Christi e o que mais nossa imaginação inventar. Todos entenderão que, mesmo divagando entre o possível e o impossível, estamos insatisfeitos com o governo atual. Mas, nunca podemos instigar a violência, atrapalhar manifestações alheias com nossos megafones e carros de som, ou usar de qualquer outro subterfúgio para atrasar um processo democrático que está em franco crescimento.

Um aviso. A história recente mostra que a sociedade que vai para as ruas não depende de carros de som e de organizadores para alcançar seus objetivos. A presença de vários caminhões de som e até megafones, não mostra organização ou coesão. Ao contrário, mostra que pode haver várias pessoas tentando manipular a sociedade em prol de seus próprios objetivos.

Esperamos que a confusão que aconteceu ontem seja a última lição, e que os diversos grupos que saíram da rede para as ruas entrem em um acordo de uma vez por todas.

Robson A.D. Silva – Cientista Social.

Compartilhe

Quem será o ingênuo que acreditará nisso? Que bonitinho! PT pede que doações sejam investigadas na LAVA JATO. AH ta.

 

Quem será o ingênuo que acreditará nisso? Que bonitinho! PT pede que doações sejam investigadas na LAVA JATO. AH ta.

 

 

 

O PT agora quer dar uma de santinho e, pra livrar sua cara diante do público e do cada vez maior número de petistas decepcionados com o partido, pede à Polícia Federal que faça o que já ia fazer.

Jornais dessa sexta vão publicar: “Citado como beneficiário do esquema de desvio de recursos    da Petrobras, o PT estuda ingressar com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) do Paraná ou na Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo um “processo de investigação ampla” sobre doações de campanha das empresas investigadas na Operação Lava Jato.” 

 

 

Compartilhe

A vanguarda do sec. XXI. O que AMEDRONTA os artistas. A Lei ROUANET? O que Lobão e Paulo Ricardo possuem de diferente?

 

33333333333van1111111111ed

A vanguarda do séc. XXI. O que AMEDRONTA os artistas. A Lei ROUANET? O que Lobão e Paulo Ricardo possuem de diferente?

Em comparação com a quantidade de brasileiros que se posicionou contra o estrago que a esquerda tem feito no país, são ainda poucos os membros da classe artística e intelectual que participam de atos públicos ou pelo menos se manifestam de alguma forma a favor dos movimentos de oposição, que estão em franco crescimento e pedem apuração rigorosa da corrupção generalizada que assola o país. Os oposicionistas, não há dúvida, são ágeis e têm conseguido forçar um posicionamento mais consistente da bancada de oposição no Congresso Nacional.

Ainda em 2013, em Paraty, o cantor Lobão criticou os rumos que as manifestações tomavam. Segundo o cantor, “não havia foco” nos movimentos. Na mesma entrevista Lobão chegou a dizer que o fato de poucos artistas militarem politicamente em favor da esquerda se deve ao medo de perder dinheiro, já que o principal financiador de eventos culturais no Brasil é o governo federal. Lobão lançava seu livro "Manifesto do nada na terra do nunca". O artista, que carregava o estigma de revoltado, sem medo de ir contra a linha seguida pela maioria dos membros da classe artística, surpreendeu todos ao mostrar uma face bastante racional, madura e filosoficamente embasada.

Não será de admirar se os shows de Lobão começarem a lotar estádios. O público de hoje gosta sim de estar junto de bons músicos, mas acima de tudo tem de ser gente que “fala a sua língua”, que não abdica de sua responsabilidade na construção de um futuro melhor. Gente que se posiciona politicamente quer prestigiar gente que constrói, não são meros expectadores, levados como o vento, cegos guiados por outros cegos.

A falácia esquerdista do politicamente correto só ludibria quem gosta de ser enganado, é uma espécie de ermitão, privado de receber informações sobre o quotidiano, ou é tão fraco como ser humano que, mesmo já tendo recebido todas as evidencias possíveis de que há algo terrivelmente errado acontecendo no governo atual, principalmente nesses últimos meses, quando foi revelado que o maior escândalo de corrupção de toda a história do mundo moderno ocorreu dentro do governo atual, prefere não se manifestar politicamente por medo de não ser aceito pela galera da rodinha de cerveja, que passa seu tempo fazendo piadinhas e rindo da desgraça alheia, ou “vivendo” uma existência lúdica, nula, pensando unicamente em como ser aceito no grupo social mais popular, seja este a galerinha da faculdade, ou do boteco da esquina.

Obviamente estar numa roda de amigos não é algo nocivo. Mas, se tornar um zero intelectual para que isso possa acontecer, é algo a que ninguém deve se submeter.

Não precisaria explicar que foi exactamente assim que ocorreu na Alemanha Nazista, (Nazismo significa socialismo nacionalista) onde o medo de ir contra uma minoria espalhafatosa e com ar de quem sabia o que fazia resultou no assassinato institucionalizado de milhões de pessoas inocentes.

O fato de o governo da Alemanha permitir que as industrias permanecessem nas mãos de particulares é usado como alegação de que a Alemanha não foi socialista. Mas todos sabemos que de fato era o estado o gestor das empresas. O governo nazista decidia o que produzir, quando produzir e até os preços dos produtos.

A propaganda implementada pelos nazistas também tem extrema semelhança com a tática usada atualmente pela esquerda brasileira. Goebbels tinha como máxima a frase: Reúna todos seus adversários em uma só categoria, em uma soma individualizada. Aqui a esquerda faz exactamente isso, todos que não são de esquerda estão em um mesmo time, são anti-humanistas, malvados, reacionários. Se for uma pessoa ativa, apenas um milímetro acima da média em relação à ação política, entrará no rol dos golpistas, exatamente o que agora acontece com Lobão, Olavo de Carvalho, revista VEJA e com qualquer pessoa, site ou editora que ousa denunciar a fábula marxista-bolivariana vivida pela esquerda brasileira. 

O cantor e escritor Lobão agora é visto pela esquerda como um líder golpista.

    Ora senhores, sabemos muito bem que não é o eleitor típico da esquerda que consome cultura de qualidade, seja na forma de livros, exposições de arte e até shows humorísticos. Vide a vertiginosa queda de Rafinha Bastos e CQC.

   O CQC, por exemplo, trabalha para uma emissora privada, que depende de publicidade para sobreviver. Na medida em que o público alvo, aquele que realmente compra, deixa de assistir o programa, os anunciantes migram para onde "estão" os consumidores. Na mesma velocidade que a sociedade assume uma postura militante esse processo deve acontecer com artistas que defendem com unhas e dentes o bolivarianismo / cubanização do Brasil, mas não abrem mão de ter seus apartamentos ou passar férias em Paris ou Nova Iorque.

Ontem recebemos uma ótima notícia. O cantor Paulo Ricardo, do RPM, resolveu se engajar na mobilização para que a população vá para as ruas pedir que sejam apurados de maneira rápida e rigorosa a corrupção que ocorreu dentro da Petrobrás.

Não ha dúvida alguma de que a esquerda brasileira está em decadência, ja vimos aqui diversas provas disso. Aquelas pessoas, artistas ou não, que primeiro se engajam na luta contra o exército de corruptos e corruptores que saqueia nosso país já podem ser consderados como a nova vanguarda brasileira, ou a vanguarda do sec. XXI. São aqueles que estão no pelotão de frente dessa batalha, não tem medo de ser considerados politicamente incorretos, buscam sem medo o melhor para o futuro de seu país, de seus filhos, de seus netos, e têm conseguido rsultados significativos.

A batalha de ontem no Congresso, embora perdida, é uam amostra do poder que esse grupo, em franco crescimento, já possui. Vanguarda vem do frances avant-garde, que significa exctamente a guarda avançada ou parte frontal de um exército.

Robson A.D. Silva – Sociólogo, Professor.

Artigo originalmente publicado no site da Revista Sociedade Militar.

 

Compartilhe

Paulo Ricardo do RPM. Mais um artista entra na LUTA contra o CAOS que se instalou no país.

paulo ricardo rpmMais um artista entra na LUTA contra o CAOS que se instalou no país. Paulo Ricardo, do RPM se alista no exército anti-corrupção.

O cantor Paulo Ricardo, assim como LOBÃO, reconhece que o governo atual está afundando o país. Sabendo da força que a classe artistica tem junto da sociedade, ele tenta ajudar a mobilização para que a população se manifeste em favor de uma apuração rápida e rigorosa dos escândalos de corrupção, que podem ter até alavancado campanhas eleitorais de políticos do PT e de outros partidos da Base aliada.

Se a classe artística começar a se engajar certamente a mobilização será mais rápida e perceptível. No próximo dia 6 de dezembro haverá manifestações em São Paulo e Rio de Janeiro.

No RIO os eventos são encabeçados por grandes grupos da rede, como Opesadelodequalquerpolítico. Em São Paulo também ha vários grupos que prometem lotar a paulista.

Assista o vídeo de apenas 40 segundos em que o artista convoca a sociedade.


Paulo Ricardo Vem pra RUA por sociedademilitar

http://sociedademilitar.com.br

 
 
Compartilhe

Gentili, Lobão e Olavo de Carvalho são tremendamente influentes na rede e desbancam CQC, Jô e outros “chapas brancas”.

Nos últimos anos a polarização da sociedade brasileira cresceu bastante, fruto da estratégia da esquerda de segmentar o país, forçando a criação de grupos distintos dentro do próprio corpo social brasileiro. Contudo, a tática fugiu ao controle, e acabou por colocar a própria esquerda em risco. As variadas vertentes da sociedade esclarecida, que chamamos no Brasil de direita, que até ha pouquissimo tempo se mantinham discretas, resolveram reagir, e acabaram por se unir em um único projeto de restauração do país, que tem como um dos seus pilares principais, retirar o Partido dos Trabalhadores e seus "satélites" do comando do Brasil.

As redes sociais definitivamente são o termômetro do que ocorre no mundo físico, principalmente no que diz respeito à política. Sabe-se que poucas pessoas “descurtem” alguém no facebook ou deixam de seguir no twitter. Portanto, quando determinado perfil para de crescer, isso significa na prática que ele está decrescendo, que não há mais interesse dos seguidores em compartilhar as informações relacionadas ao mesmo, o que acabaria por agregar seguidores ao perfil. O mesmo pode ser observado em se tratando de menções no TWITTER. Mensurar a quantidade de menções nos fornece dados exatos sobre as pessoas e assuntos considerados mais interessantes e influentes na grande rede e, consequentemente no dia-a-dia da sociedade.  

Um dos principais motivos da grande rede ter entrado de vez na rotina dos brasleiros foi o fato da mesma proporcionar uma relação com os geradores de informação totalmente diversa do que era costume no Brasil. Na internet as pesoas deixaram de ser meros receptores das informações para se transformar em multiplicadores, com o diferencial de, a cada compartilhamento, ter a oportunidade de agregar mais informações e seu voto de aprovação ao dado retransmitido e à origem do mesmo. A Revista Sociedade Militar ha alguns anos tem acompanhado a mobilização, que tem se iniciado nas redes e que, após pouco tempo, gera uma reviravolta nas ruas e no quotidiano do brasileiros.

Veja alguns dados interessantes logo abaixo.

A discussão política nas redes tem aumentado sensivelmente, e na medida que a sociedade se politiza, a simpatia pela esquerda tem decrescido. Os perfis mais “importantes” da esquerda notadamente tem decrescido em interesse, enquanto ocorre o contrário com personalidades que têm se destacado na oposição contra o Partido dos Trabalhadores. Citamos aqui, como exemplo, Lobão, Olavo de carvalho e Danilo Gentilli.

Observe abaixo a quantidade de respostas na analise de menções feitas por usuários do Twitter à Gentili (em laranja), Rafinha Bastos (azul) e CQC (verde)no Twitter, nos últimos 30 dias. Enquanto Gentilli se mantém acima das 130 mil menções, CQC e Rafinha não chegam a 20 mil.

Observem também que o cantor Lobão (em azul), que não tem nenhum programa de televisão se mantém bem acima de CQC e Jô Soares.


Observamos também que o filósofo e escritor Olavo de Carvalho (em laranja) já ultrapassa Rafinha Bastos e Jô Soares em menções na rede social twitter. Lembramos que Rafinha e Jô têm o suporte das maiores redes de Tv do país. Mais uma evidência de que há mudanças importantes no perfil intelectual da sociedade brasileira.

Constata-se facilmente que a esquerda, pela primeira vez em vários anos, decresce em número de adesões, e já não desperta tanto interesse nas redes sociais. A menos que alguma ação autoritária seja colocada em prática, ha pouquíssima possibilidade de que essa tendência venha a ser revertida, tanto na rede quanto no mundo físico. 

Robson A.D Silva – Cientista Social. Professor. Escreve para Revista Sociedade Militar.

VEJA: Movimentos de Direita podem SER destruidos AINDA na GÊNESE? 

Robson A.D.Silva – Cientista Social, professor.

Compartilhe

Destruição, vandalismo, invasão. Isso pode, não é ódio? Acampamento Latino Americano de juventude promove destruição.

O evento foi divulgado por meio do facebook, e aconteceu entre 20 e 23 de novembro de 2014 em Palmeira das Missões – RS. Bandeiras vermelhas e Cubanas abundaram no local. Não se viu bandeiras do Brasil, talvez isso seja encarado como uma afronta à tal pátria grande.

Aleida Guevara, filha de Ernesto "Chê" Guevara, esteve no evento. Ela incentivou os ´resentes a persistir na luta de classes e fortalecimento do que chama de “processos revolucionários na América Latina”.

"Revolução é precisamente isto: mudar o que pode ser mudado. E, nesse sentido, é necessário a força. E esta só pode vir da unidade. Portanto, esqueça o "EU”. Temos que trabalhar no “NÓS”. O que queremos? O que vamos fazer? O que aspiramos ter?"

A invasão da propriedade foi chamada de atividade, executada por “camponeses e urbanos”.

Ué! Eles destruíram a cerca, destruíram a plantação de milho… Tudo isso custou o trabalho e o esforço de pessoas honestas. E a mídia não tem coragem de usar palavras como INVADIRAM, DESTRUIRAM, VANDALIZARAM… Os termos realistas são trocados por palavras politicamente corretas, como ocupação, protesto e ato. 

Ok. Mas as coisas estão mudando nesse país. A sociedade está acordando e já tem muita gente que enxerga isso tudo. É apenas questão de tempo. A fábula comunista / bolivariana em breve vai acabar de vez.


destruiirvandalizarodio mst prepara jovens por sociedademilitar

Há fotografias e filmagens em abundância. Pessoas físicas e jurídicas prejudicadas por atos de vandalismo podem pleitear na justiça a reparação dos danos causados também por "movimentos sociais". 

Robson A.D. Silva é Cientista Social. 

Compartilhe

Bolsonaro deve sair do Partido Progressista. Todas as evidências indicam que Partido Progressista é cúmplice do PT no PETROLÃO. Bolsonaro diz que concorrerá para presidente. Como fica isso?

Para os investigadores da operação Lava Jato, o depoimento mais importante dos prestados pelos executivos de empresas é o do vice-presidente da Mendes Júnior, Sérgio Mendes. Ele admitiu que pagou R$ 8 milhões em quatro parcelas, entre julho e setembro de 2011, após, segundo ele, sofrer extorsão para que não houvesse rompimento de contratos com a petrolífera brasileira.

Os investigadores tem cada vez mais reforçada a suspeita de que os desvios tinham como destino o caixa 2 de partidos da base aliada do governo, especialmente PT, PMDB e PP.

Possibilidades, perspectivas, conjecturas… 

Algum tempo antes das eleições o deputado Jair Bolsonaro apresentou seu nome à executiva de seu partido, o PP, para que fosse endossada sua candidatura para Presidente da República. O partido, em reunião polêmica e tumultuada, não aceitou, resolvendo permanecer como aliado do Partido dos Trabalhadores nas eleições presidenciais. Na época a decisão gerou bastante discussão entre a executiva nacional e filiados de vários estados, que não conseguiam entender o por quê de tanta insistência da exÊcutiva em permanecer do lado do governo. 

O que temos ouvido sobre o caso petrolão já nos dá uma idéia da motivação da chefia do PP em permanecer no mesmo time de Dilma e Lula. 

Jair Bolsonaro, devido à decisão, permaneceu como candidato a Deputado Federal, e comprovou sua popularidade, foi o mais votado do Rio de Janeiro. Somente a quantidade de votos que recebeu no Rio já o colocaria na sexta posição na disputa presidencial. Contudo, é certo que, como candidato a presidente, Jair Bolsonaro receberia votação expressiva nos outros estados da federação. Entendemos que se o Partido Progressista endossasse sua candidatura, o capitão-deputado, mesmo sem financiamento expressivo e com pouco tempo na TV, receberia de 8 a 10 milhões de votos, ficando pelo menos em quarto lugar na disputa eleitoral, muito a frente de Luciana Genro. Bolsonaro poderia também, em tese, depois de expressiva votação no 1° turno, ter apoiado Aécio, o que talvez virasse o jogo em favor do PSDB.

Flavio Bolsonaro, também do Rio de Janeiro, foi candidato a deputado estadual pelo PP. Foi eleito com pouco mais de 160 mil votos.

Os dois políticos acima citados são críticos ferozes do Partido dos Trabalhadores. Se Bolsonaro já destoa da base aliada do governo há algum tempo, imaginamos que agora sua situação fica mais complicada ainda. Seus eleitores são, antes de tudo, definitivamente contra o PT e seu “projeto” bolivariano – castrista – comunista para o Brasil. Pra piorar as coisas, Jair Bolsonaro, com sua expressiva votação, acabou arrastando de carona Fernando Jordão, da coligação. Ou seja, mais um para ajudar o PT na consecução de seus planos para o Brasil.

Grande parte dos eleitores de Bolsonaro que freqüentam as páginas da Revista Sociedade Militar deixam claro que está mais do que na hora desse político pular fora do Partido Progressista. Os Bolsonaros fazem parte do grupo selecto que considera-se como bastiões da defesa de pilares fundamentais para a construção de um grande Brasil, que são: liberdade, honestidade, patriotismo, família, meritocracia etc.

Infelizmente, nesse caso, a legislação eleitoral funciona como um tipo de algema. A mudança de partido só é permitida nos seguintes casos (Resolução 22.610 do TSE):  1) incorporação ou fusão de partido; 2) criação de novo partido; 3) mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; e 4) grave discriminação pessoal. 

Por outro lado, para felicidade de seus eleitores e de grande parte da sociedade de direita, conservadores, liberais e/ou anti-esquerda, o deputado Jair Bolsonaro declarou recentemente que pretende concorrer para a presidência do país em 2018. Pelo Partido Progressista, aliado de Dilma e Lula, essa possibilidade é praticamente nula.

Como poderia então ser feito isso? Como Bolsonaro viabilizaria sua candidatura para o mais alto cargo político do país?

“Eu pretendo disputar como presidente da República. Se o meu partido não sinalizar para isso, eu vejo para onde eu posso ir. A direita tem cara, tem voto, tem vergonha na cara”


   No final de 2013 estivemos cobrindo um evento realizado no Rio de Janeiro. Foi um congresso do Partido Militar Brasileiro. Bolsonaro estava presente e em sua fala destacou a necessidade da honestidade na política. O Deputado disse ainda, em tom de aconselhamento aos membros do novo partido, que a independência política/financeira que possui lhe proporciona a oportunidade de perseguir seus objetivos sem nenhum tipo de dívida a pagar com financiadores de campanha, o que chamou de “rabo preso”.

Naquele dia passamos a cogitar se o Partido Militar não estava incluído nos projetos futuros de Jair Messias Bolsonaro.

O Partido Militar está ainda por ser regularizado. Porém, em fase adiantada de coletas de assinaturas, a sigla apresenta-se como a opção plausível para os planos já anunciados de Jair Bolsonaro. Como vimos acima, a legislação abre uma “janela” para migração de políticos com destino a um partido recém criado.

Supomos que acompanhariam Bolsonaro, seus filhos e mais alguns políticos. Não há dúvida de que  Augusto Rosa, presidente do Partido Militar e eleito deputado federal por São Paulo, também deve mudar de partido assim que o PMB for regularizado.

general abreu e vinicius felicianoOutros que muito provavelmente migrariam para o PMB seriam Eduardo Bolsonaro, eleito por São Paulo e o astronauta Marcos Pontes, que teve votação expressiva, mas não foi eleito. No Rio de Janeiro, o General Abreu, que foi candidato a vice-governador, também ja foi visto em reuniões do Partido Militar.

Se acertarmos em nossas previsões o PMB deve nascer já como um partido forte, com pelo menos três deputados federais e um estadual. O Partido Militar tem tudo para preencher uma lacuna obvia dentro da política brasileira, um partido realmente de oposição contra tudo o que de mau tem sido feto contra o Brasil.

O país vive um momento complicado. A direita tem comparecido às ruas para exigir a apuração dos recentes casos de corrupção e já aproxima-se o fim do ano, época em que os ânimos se esfriam um pouco. Acreditamos que logo no início do ano que vem alguma notícia interessante nesse sentido deve ser veiculada, pois sabemos que o Partido Militar precisa adiantar seu processo de coletas de apoiamentos para que possa participar das eleições de 2016, e nada melhor para isso do que o empenho de grandes nomes da política, como os citados acima.

Robson A.D. Silva – Cientista Social. Escreve para Observatório da Rede e Revista Sociedade Militar.

Compartilhe

Já há ESBOÇOS de novas manifestações para o início de dezembro. Esquerda agora se apega à teoria de que HÁ UM GOLPE em andamento. Entenda o que pode acontecer com base em situações recentes.

 80porcento18_8-53-30_No-00  A palavra golpe tem sido frequentemente usada desde que gente ligada ao partido do governo começou a ser presa no decorrer da operação lava jato da Polícia Federal. Assim como ocorreu em outros países, em especial na Tailândia, a sociedade já começa a se organizar pela internet para cobrar o cumprimento da lei e evitar que o estamento governamental proteja aqueles que devem ser responsabilizados.

Sites de esquerda, certamente sob orientação da intelligentsia petista, tentam criar no Brasil um ambiente golpista, dando ao governo a imagem de vítima. Mas isso não tem surtido efeito, a sociedade já percebe que o Partido dos Trabalhadores é mesmo o principal protagonista dos maiores escândalos do país. A frase “eu não sabia de nada” não serve mais. Quanto à presidente Dilma e seu vice: Se não sabiam de nada, são incompetentes. Se sabiam, são criminosos. Nas duas hipóteses devem deixar o governo.

Na Tailândia, a governante também foi associada a vários casos de corrupção, e era também ligada a um ex-chefe de governo muito carismático, “dono” do partido mais populista do país. A sociedade foi para as ruas, a princípio de forma desorganizada, uns pediam indiciamento e impeachment da primeira ministra do PT (Partido Pheu Thai) de lá, outros pediam logo uma intervenção. 

A primeira-ministra na Tailândia era taxada de mera “procuradora” de seu irmão, condenado e exilado. Este, para alguns, continuava controlando o país.  O partido da premier, Pheu Thai, estimulou o crescimento de uma ala militante que se tornou conhecida como os “camisas vermelhas”, que em conjunto realizavam vandalismo e agressões contra a oposição, gerando grande intimidação política. Durante a crise os camisas vermelhas cercaram residências de opositores, tentando intimidá-los.

Aos poucos a sociedade foi se concentrando em torno de um ou dois pedidos principais. A obstinação era tamanha que houveram vários casos de ruas fechadas por semanas por conta dos acampamentos. A sociedade se mobilizava e levava água e alimentos para os manifestantes. Em uma ocasião o governo prendeu 100 idosos que acampavam em frente ao Ministério das Energias.

Em dezembro de 2013 os deputados do principal partido de oposição resolveram se unir e pediram demissão em bloco, causando um caos no Parlamento. Em certo momento da crise a primeira ministra chegou a contratar mercenários para tentar retomar o controle da situação. O indiciamento da premier foi adiantado e assim, em maio de 2014 a Primeira – Ministra Yingluck Shinawatra foi condenada de forma perfeitamente legal e demitida.

Não houve nenhum tipo de golpe por parte dos militares. Em um primeiro momento estes apenas garantiram a ordem em momentos críticos. Como o parlamento estava praticamente destruído, oposição e governo não conseguiram se entender, foi acertado que os militares permaneceriam no controle até que se pudesse voltar à normalidade.

Aqui no Brasil a sociedade tem se mobilizado, primeiro pela internet, e já tem ido para as ruas. As primeiras manifestações já foram grandes em São Paulo, a confusão e “ajustamento” das reivindicações é natural no início.

A direita há muito que não vai para as ruas e até as lideranças que se formam têm que se adaptar a sua forma de se manifestar. A sociedade que está e estará nas ruas não é uma massa de “useful idiots” que se dobra facilmente à palavras de ordem só por estas partirem de um microfone, ou de um carro de som. Estão ali por conta própria, são pessoas com consciência política formada e cientes do que desejam para o Brasil. É preciso que as lideranças entendam que mais cedo do que se espera vai ocorrer a unificação de forma natural. Imagine vários cursos de água correndo em direção ao oceano, cada um tem cor e velocidade diferente, antes do mar se unirão em um grande rio, com a mesma cor e muito mais poderoso.

Em uma democracia ninguém pode ser desprezado. A direita tem como característica valorizar a liberdade de expressão e o individualismo. Apologia à uniformidade é coisa de esquerdista. Se a liderança que agora surge for realmente perspicaz, digna de permanecer a frente de tão grande grupo, saberá valorizar cada opinião como parte importante do movimento.  Como foi dito acima, a voz que ecoará mais forte será a do conjunto, a soma das individualidades. 

Se a oposição deseja realmente que o movimento continue, ele não pode parar de crescer. A adesão tem que aumentar.

Já há movimentações na rede para novas manifestações no início de dezembro e o partido do governo fará de tudo para desestimular isso. É esperado que em breve instituições como maçonaria, Adesg, Igrejas, clubes de classe etc., consagradas por sua luta pela verdadeira democracia darão sua colaboração para que esse movimento tenha êxito. A sociedade precisa cobrar das associações qual o seu posicionamento frente ao que está ocorrendo no país. não há espaço para neutralidade.

Robson A.D. Silva – Cientista Social . Escreve para Observatório da Rede e Revista Sociedade Militar Online.

Mais sobre o que ocorreu na Tailândia.

Compartilhe
1 17 18 19 20