Folha diz que BANHO DE MIJO é prática sexual – desculpe sermos tão diretos, mas é preciso

O nível a que chegamos é bem perto do fundo do poço. Mas, como dizem, para se limpar bem uma casa é necessário revirar tudo, varrer todos os cantos e desenterrar a sujeira dos lugares mais escondidos. Certamente é isso o que está sendo feito.

A Folha de São Paulo. Sim, a famosa folha de São Paulo entrou na briga para tentar provar que o BANHO DE MIJO, ou Golden Shower como chamam, é uma prática sexual normal. Na verdade até a noite dessa quarta-feira o discurso era “Bolsonaro postou vídeo imoral“. Os “progressistas” então perceberam que tropeçaram nas próprias palavras e atiraram nos próprios pés ao dizer que o que fazem todos os dias nas ruas é imoral. Agora – tentando se reerguer pelo menos um pouco – resolveram falar que no privado não é imoral, mas em público é.

De qualquer forma não deixa de ser bom para a sociedade,  é mais um recuo da esquerda causado pelo maremoto JAIR BOLSONARO.

“O BANHO DE MIJO deve ser consensual e entre 4 paredes”, segundo dizem os especialistas da FOLHA. Estranho também é o fato de existirem especialistas nesse assunto. Os especialistas são os mesmos que dizem que fazer sexo ao mesmo tempo em que se come fezes do parceiro também não é algo anti-higiênico desde que seja algo consensual?

A REVISTA ÉPOCA não quis admitir que a coisa toda foi uma safadeza e porcaria generalizada em via pública. A publicação batizou – como é costume da esquerda – de PERFOMANCE o ato libidinoso, informando que além do banho de mijo e enfiar dedo no cx, aconteceram maia porcarias ainda.

Observatório da REDE

Compartilhe

Presos foram obrigados a cantar o HINO NACIONAL – Esquerda reclama

Nornas legais vigentes no BRASIL estimulam o culto aos símbolos nacionais. Ao cantar o hino nacional e venerar a bandeiro o indivíduo não está honrando governos ou partidos, está prestando uma reverência ao país como um todo, à nação brasileira.

Pra quem não sabe, ha estados que prescrevem como regra em instituições prisionais o cando do hino nacional e até que se coloque as mãos sobre o peito em sinal de respeito. Abaixo extrato de Portaria da Administração Prisional de Goiás.

Essa semana o Observatório da Rede recebeu cópia de vídeo gravado dentro de um presídio. Soubemos que,  após circular pela grande rede, o material recebeu várias críticas e percebeu-se certo murmúrio por parte de militantes progressistas que não admitem que presos condenados sejam obrigados a cantar o hino, se colocar na posição de sentido e colocar a mão sobre o peito.

“eles não podem ser obrigados…”, “isso é uma sacanagem…”, dizem alguns comentários nas redes sociais.

Todavia, presidiários estão sob um regime disciplinar e não só podem como devem estar sujeitos a imposições e regras bastante rigorosas. Se eles têm uma dívida com a sociedade que essa dívida seja então inteiramente paga, incluindo o culto aos símbolos nacionais, como bandeira e hino nacional.

Observatório da Rede

Compartilhe

Popularidade de BOLSONARO cai, diz folha. Manipulação e mentira apenas

A FOLHA DE SÃO PAULO usa a velha técnica de manipulação que consiste em dizer que está acontecendo o que você quer que aconteça e não a verdade. O jornal ONLINE, que é ligado ao UOL, publicou nessa quarta feira de cinzas que após postagem de BOLSONARO no TWITTER denunciando o baixíssimo nível moral de nosso carnaval a militância pró-BOLSONARO-PSL estaria diminuindo assim como estariam diminuindo também os índices de popularidade do presidente.

Não será surpresa se nessa quinta aparecer um “especialista” com cara de professor dizendo que há debandada de admiradores que agora se voltam contra Bolsonaro e até pedem o seu impeachment.

Só pra começar não houve nenhuma pesquisa de opinião depois da postagem de BOLSONARO no twitter para aferir a sua popularidade. Aliás, o que percebeu-se nas redes sociais foi uma grande mobilização para subir a tag que já está em segundo lugar no trends nessa noite de quarta-feira.

Popularidade de Bolsonaro / Militância do PSL / Mentiras da imprensa.

Observatório da Rede – Observando, confirmando, discutindo e desmentindo

Compartilhe